• Circe Palma

Aprendi com os pássaros!

Quando vi pássaros no céu, voando em desalinho, pensei naquela aparente desordem. Era estranho observar que cada um fazia o traçado do seu próprio voo. Eu tinha por certo, que sempre voavam e seguiam alinhados, em formação.


Como eles, meu pensamento voou. Como assim? Cada um para um lado? Cada um voa como quer e para onde quer? Me pareceu contraditório com o que já havia aprendido sobre eles. Que seguem uns aos outros, que voam lado a lado, em parceria, etc. Mas um tempo depois percebi que não. Havia uma aparente desordem, mas o grupo se mantinha unido, embora cada um seguisse seu próprio caminho. Permaneciam próximos uns dos outros, mas mantinham a distancia que lhes garantia a liberdade.





Foi então que compreendi uma das mais bonitas verdades. A liberdade é algo que se pode ter, desde que seja mantido o respeito pelo espaço do outro. Simples assim. O grupo de pássaros se mantinha junto, perto o bastante, porém longe o suficiente.


Foi deste modo que , naquela imensidão de um céu muito azul pude perceber esta sábia lição. Depois de voarem desta forma, que a mim parecia desorganizada, eles, de um modo meio mágico, se alinharam e seguiram para outros espaços do mesmo céu azul que eu admirava.


Tive a sensação de um aprendizado. Se nós tivéssemos esta habilidade e seguíssemos as sábias palavras de nossos antepassados, entenderíamos o “a tua liberdade vai até onde começa a do outro”. Palavras tão conhecidas e tão pouco entendidas. Fica então a ideia de buscar um sentido para o próprio voo. Me sinto assim. Voando a esmo em meio a uma humanidade que não se encontra, não se vê. Migrou para um mundo virtual e se tornou transparente, invisível aos olhos do coração, dos afetos. É o amor que nos conecta. Foi o que aprendi olhando os pássaros. Quando decidem mudar de ares, seguem juntos, se acompanham, traçam a mesma rota e, só então, se dispersam para seus voos pessoais, para suas liberdades., sem contudo deixar o grupo.

Assim é a humanidade. Vivemos em grupo e é o grupo que voa, que migra, que vai.

Não voamos sozinhos. São nossos amores, e não as nossas dores, que nos movem e nos fazem voar. Aprendi com os pássaros.

Circe Palma - Psicopedagogia e Terapia Familiar


circe@circepalma.com


Tel: 55 51 995044421


Consultório: Shopping Lindóia - Assis Brasil, 3532 - Sala 412

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo