• Circe Palma

Saúde Emocional - Saúde Mental

A saúde mental naturalmente está associada ao equilíbrio das nossas emoções. E esta vem na esteira do nosso bem estar físico, familiar, social, profissional, enfim em todos os âmbitos de nossa vida. Isto nos remete aos nossos hábitos, estilo de vida, a forma como sentimos, elaboramos e resolvemos as situações cotidianas.


Em tempos de ansiedade, insegurança como os que vivemos atualmente, este contexto fica de tal modo alterado que perdemos, de uma forma mais ou menos intensa, as nossas referências para nos mantermos saudáveis. Nossa capacidade de controlar e gerenciar nossas emoções está comprometida, face aos últimos acontecimentos. Precisamos de alternativas que nos façam olhar para o que nos é possível, buscando encontrar recursos que nos direcionem para o bem estar que nos garante a saúde emocional, mental.


Nem sempre conseguimos fazer isto sozinhos. Um olhar para todas as dimensões da nossa vida cotidiana, requer habilidades que, no momento estão prejudicadas pela intensidade da insegurança e situações de perda de liberdade, a que estamos sendo submetidos. Este é um momento em que precisamos muito uns dos outros, para que possamos fazer escolhas que nos levem a um melhor equilíbrio. A tomada de consciência desta necessidade é que nos leva a atitudes positivas que contribuem para a construção de uma vida mais saudável tanto do ponto de vista emocional quanto mental.




Um sentimento muito frequente percebido, na medida que o tempo de isolamento se estende, é o de perda de identidade. Perde-se aquilo que caracterizava a rotina antiga. Coisas importantes e simples, que faziam parte da vida, acabam sendo necessárias para que se reconheça o lugar de pertencimento que cada um de nós precisa para a sua própria identidade.


Algumas atitudes que, por certo, irão possibilitar este equilíbrio são o comer bem, ser ativo e proativo, cuidar da saúde física, etc. É preciso um olhar positivo em relação as rotinas pessoais, como a busca de pequenos momentos de gratificação (como tomar um cafezinho, p.ex.) o resgate de momentos de privacidade que caracterizem algo da rotina anterior (ex:fazer uma pequena leitura, se tinha esse hábito), buscar apoio e divisão para as tarefas domésticas. Ser mais tolerante, menos exigente com as obrigações do dia a dia, tendo pensamentos e ações positivas para somar e agregar ao grupo familiar. Cultivar a auto estima, reservando momentos para si mesmo, buscando entender as próprias emoções, recompensando-se quando atingir objetivos antes propostos. Lembrando que muitas vezes nos preocupamos com questões que, estando fora de nosso alcance, também fogem ao nosso controle. Nestes casos, devemos apenas administrar esta preocupação, conversando com alguém, trocando ideias com amigos e não criando expectativas muito intensas ou a longo prazo. Um momento bem vivido hoje e suportar as incertezas podem ajudar a ter mais complacência conosco e com os outros e com aquilo que não temos controle.


Tudo isto, por certo, irá trazer momentos de mais paz em que poderemos “relaxar” as tensões que o momento nos apresenta. Algumas vezes conseguimos sentir de uma forma mais tranquila e em outros momentos precisamos de mais recursos para lidar com a realidade. Mas sempre com o pensamento de que tudo isso vai passar. Precisamos ter tolerância e buscar o equilíbrio.



Circe Palma - Psicopedagogia e Terapia Familiar

circe@circepalma.com

Tel: 55 51 995044421

Consultório: Shopping Lindóia - Assis Brasil, 3532 - Sala 412


Ana Cristina Blaya Figueiró - Psicóloga

Tel: 55 51 999014377 / 55 51 33882232


36 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo